Nem com Neymar de volta após cumprir quatro jogos de suspensão, o Brasil soube tirar proveito dos cinco desfalques que a Argentina teve nesta sexta-feira no Monumental de Nuñez e não passou de um empate por 1 a 1. Com o resultado em Buenos Aires, a seleção continua sem vencer fora de casa nas Eliminatórias da Copa do Mundo. Em dois jogos, são uma derrota – na abertura caiu diante do Chile em Santiago – e um empate.naom_56469d79b2985Passadas três rodadas, o Brasil soma quatro pontos, em quinto lugar nas Eliminatórias da Copa. O time volta a campo na terça-feira, quando recebe o Peru em Salvador, e não terá o zagueiro David Luiz, expulso no fim do jogo desta sexta-feira por jogada perigosa. Já a Argentina, ainda sem vencer após três jogos, acumula apenas dois pontos.

A partida foi duríssima para o Brasil. A Argentina começou o jogo em um ritmo alucinante. Pelo lado esquerdo da defesa brasileira, Di María partiu para cima de Filipe Luís e David Luiz e, com apenas cinco minutos, já havia criado duas boas chances de abrir o placar. Acuado, o Brasil mal conseguia passar do meio de campo.

Depois de dez minutos de muita pressão, a seleção conseguiu deixar o jogo um pouco mais equilibrado, mas não o suficiente para levar perigo à Argentina. Faltava principalmente presença de ataque à equipe. Bem marcado, Neymar se via obrigado a buscar o jogo muito atrás. Cercado por dois ou três defensores, o craque não conseguia se aproximar da área com a bola dominada.

Para piorar, Ricardo Oliveira praticamente não participava do jogo. O atacante ficou “encaixotado” entre os zagueiros e mal encostava na bola.

Outra novidade na escalação de Dunga, o meia Lucas Lima atuava muito mais como um defensor do que como armador das jogadas de ataque, função para qual foi colocado em campo na vaga de Oscar.

Como a Argentina não oferecia espaço para o contra-ataque, a seleção ficava sem alternativas. O Brasil era um time sem repertório. A equipe parecia jogar à espera de algum lance genial de Neymar capaz de desmontar a armada argentina.

Mas quem acabou fazendo uma jogada brilhante foi Di María. Aos 33 minutos, o argentino passou a bola entre as pernas de Lucas Lima e deu ótimo passe em profundidade para Higuaín nas costas da defesa brasileira. O atacante rolou para o meio da área e Lavezzi só teve o trabalho de empurrar para o gol.

Apesar da fraca atuação no primeiro tempo, Dunga não mexeu no time no intervalo. E o Brasil só não sofreu o segundo gol logo com um minuto porque foi salvo pela trave após o chute de Banega.

Com dez minutos, o treinador, então, resolveu dar mais velocidade ao ataque e trocou Ricardo Oliveira por Douglas Costa. O time melhorou e, três minutos depois, saiu o gol. Daniel Alves fez o cruzamento pela direita, Douglas Costa cabeceou na trave e, no rebote, Lucas Lima bateu de primeira para o fundo da rede.

O gol recolocou o Brasil no jogo. A entrada de Renato Augusto no lugar de Lucas Lima aos 18 minutos fez a seleção ganhar corpo no meio de campo. A Argentina, porém, continuava perigosa. Aos 32, por exemplo, Filipe Luís quase marcou contra depois do cruzamento de Rojo.

O Brasil passou aperto nos minutos finais. A situação ficou ainda mais delicada com a expulsão de David Luiz, que já tinha amarelo e depois deu uma entrada dura em Billa. Mas o time nacional conseguiu se segurar.

FICHA TÉCNICA

ARGENTINA 1 X 1 BRASIL

ARGENTINA – Sergio Romero; Roncaglia, Funes Mori, Otamendi e Marcos Rojo; Mascherano, Biglia e Banega (Lamela); Di María, Lavezzi (Gaitán) e Higuaín (Dybala).

Técnico: Gerardo Martino.

BRASIL – Alisson; Daniel Alves, Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Elias, Lucas Lima (Renato Augusto) e Willian (Gil); Neymar e Ricardo Oliveira (Douglas Costa). Técnico: Dunga.

GOLS – Lavezzi, aos 33 minutos do primeiro tempo; Lucas Lima, aos 13 do segundo.

ÁRBITRO – Antonio Arias (PAR).

CARTÕES AMARELOS: Filipe Luis, Lucas Lima, Roncaglia, David Luiz e Mascherano.

CARTÃO VERMELHO: David Luiz.

PÚBLICO E RENDA – Não disponíveis.

LOCAL – Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires.