aviao-da-lamia-personalizado-com-simbolo-da-chapecoense-1480404081491_615x300O copiloto de um avião que viajava próximo ao voo da Chapecoense, relatou ter ouvido a conversa entre a tripulação da aeronave acidentada e a torre de controle do aeroporto de Medellín. O funcionário da Avianca narrou o diálogo e a empresa confirmou a veracidade. De acordo com a ‘Rádio Caracol’ e o site ‘El Espectador’, o funcionário contou que o voo da Lamia pediu prioridade de pouso do Aeroporto Rio Negro por conta de problemas de combustível.

“Solicitamos prioridade para proceder, solicitamos prioridade para proceder ao localizador, temos problemas de combustível”, teria dito o piloto da Lamia.

A controladora do aeroporto teria negado a permissão por conta de outro voo da VivaColômbia. Foi então que o comandante do voo da Chapecoense decretou emergência.

“Temos um problema. Temos um avião aterrissando de emergência. Não pode proceder”,  respondeu a controladora. “Agora temos uma falha elétrica, temos uma total falha elétrica”, respondeu o piloto do voo que levava o time brasileiro.

“Agora temos uma falha elétrica, temos uma total falha elétrica. Nos ajude a achar a pista, nos ajude a achar a pista”, diz o piloto. Por volta das 22h (horário da Colômbia), a torre perdeu contato com a aeronave ela sumiu do radar.