sebrae
banner-130
engen22
mineraz
novembro 2021
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

:: 10/nov/2021 . 11:02

INFLAÇÃO DE OUTUBRO É A MAIOR PARA O MÊS EM 19 ANOS

Contas de luz mantiveram trajetória de alta

A inflação oficial de preços ganhou ritmo e saltou 1,25% em outubro, mostram dados divulgados nesta quarta-feira (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Trata-se do maior avanço para o mês desde 2002.

O resultado representa uma aceleração em relação à alta de 1,16% dos preços em setembro e faz o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acumular alta de 10,67% nos últimos 12 meses, resultado ainda mais próximo do triplo da meta estabelecida pelo governo para este ano, de 3,75%. Já em 2021, a inflação soma alta de 8,24%.

Mais uma vez, a gasolina (+3,1%) e as contas de luz (+1,16%) representaram os maiores impactos individuais do índice. A alta da energia elétrica ocorre em meio à manutenção da bandeira tarifária de escassez hídrica, que tem um custo adicional de R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 quilowatts consumidos, o mais alto entre todas as bandeiras.

“A alta da gasolina está relacionada aos reajustes sucessivos que têm sido aplicados no preço do combustível, nas refinarias, pela Petrobras”, explica o gerente do IPCA, Pedro Kislanov. Além da gasolina, houve aumento no preço do óleo diesel (5,77%), do etanol (3,54%) e do gás veicular (0,84%).

O gás de botijão (3,67%) subiu pelo 17º mês consecutivo em outubro, acumulando alta de 44,77% desde junho de 2020. Já as passagens aéreas ficaram 33,86% mais caras no mês. “A depreciação cambial e a alta do preço dos combustíveis, em particular do querosene de aviação, têm contribuído para o aumento das passagens aéreas”, explica Kislanov.

Outro destaque foi a aceleração dos preços do transporte por aplicativo (19,85%), que já haviam subido 9,18% em setembro. Os automóveis novos (1,77%) e usados (1,13%) também seguem em alta e acumulam, em 12 meses, variações de 12,77% e 14,71%, respectivamente.

Os itens do grupo alimentação e bebidas ganharam ritmo e apresentaram inflação de 1,17% no mês passado, a segunda maior contribuição no IPCA de outubro. A alta foi puxada, principalmente, pela alimentação no domicílio (+1,32%), influenciada pelos saltos no preço do tomate (26,01%) e da batata-inglesa (16,01%).

Também subiu o preço do café moído (+4,57%), do frango em pedaços (+4,34%), do queijo (+3,06%) e do frango inteiro (+2,8%). Por outro lado, recuou o preço do açaí (-8,64%), do leite longa-vida (-1,71%) e do arroz (-1,42%).

Já a alimentação fora de casa ficou 0,78% mais cara em outubro, principalmente por causa do lanche (+1,31%), que havia apresentado variação negativa no mês anterior (-0,35%). A refeição (+0,74%), por sua vez, desacelerou ante o resultado de setembro (+0,94%).

AF

PEC DOS PRECATÓRIOS É APROVADA EM 2º TURNO E GOVERNO FICA PERTO VIABILIZAR O “AUXÍLIO BRASIL”

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (9/11), em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera alguns compromissos do governo federal com o Orçamento, a chamada PEC dos Precatórios. O texto segue agora para análise do Senado.

A aprovação deixa o governo mais perto de viabilizar o Auxílio Brasil, programa que vai substituir o Bolsa Família. Com o novo programa, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenta imprimir uma marca própria na assistência social, apagando — em ano eleitoral — o nome associado às gestões petistas.

O placar da votação foi de 323 a 172 — um resultado mais favorável para o governo do que aquele registrado na votação em primeiro turno, quando o governo conseguiu 312 votos favoráveis, apenas quatro a mais que o mínimo necessário (308) para aprovação.

O governo, no entanto, sofreu uma derrota no processo de votação, com a retirada do texto da permissão para contornar a chamada “regra de ouro”, que impede o poder público de se endividar para pagar despesas correntes, como salários e aposentadorias.

O aumento da vantagem da base governista aconteceu mesmo após o PDT orientar voto contra a proposta, depois que Ciro Gomes suspendeu sua pré-candidatura à Presidência, em protesto ao voto favorável à PEC de parte da bancada do partido no primeiro turno.

O que foi aprovado

Os precatórios são dívidas da União já reconhecidas pela Justiça, sem possibilidade de novos recursos.

A PEC aprovada nesta terça-feira flexibiliza o pagamento dessas obrigações e muda o cálculo do teto de gastos, regra que limita o crescimento da despesa do governo à inflação. As duas mudanças devem abrir espaço para mais R$ 91,6 bilhões de gastos em 2022, ano eleitoral.

Desse montante, cerca de R$ 50 bilhões devem ser destinados ao novo Auxílio Brasil, com valor de R$ 400 até dezembro de 2022.

Os críticos à PEC argumentam que o valor restante seria destinado às chamadas emendas de relator, também conhecidas como “orçamento secreto” da Câmara — uma destinação de recursos pouco transparente, alegadamente usada pelo governo Bolsonaro para garantir o apoio de deputados do Centrão (o que governo e deputados governistas negam).

No entanto, também nesta terça-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para suspender as emendas de relator, tornando o futuro do “orçamento secreto” incerto.

A decisão do STF foi comemorada por deputados da oposição durante a sessão de votação da PEC dos Precatórios. “É preciso dar publicidade aos repasses já efetivados e os bilhões da lógica do ‘toma lá dá cá’. O Supremo ficou do lado da democracia”, disse a líder do Psol, deputada Talíria Petrone (Psol-RJ).

Clima de ‘já ganhou’

A votação nesta terça-feira começou em clima de “já ganhou” para a base do governo.

Com quórum maior do que na semana passada, o Plenário da Câmara rejeitou, logo no início dos trabalhos, por 336 votos a 140, destaque ao texto proposto pelo PT.

A rejeição à sugestão de mudança foi considerada como um teste para Arthur Lira e uma indicação de que a PEC seria aprovada com folga.

Dos 8 destaques apreciados, 7 foram rejeitados pelo plenário, incluindo destaque proposto pelo MDB, que tentava impedir a mudança do cálculo do teto de gastos.

Atualmente, o teto é reajustado pela inflação acumulada em 12 meses até junho do ano anterior. Pela mudança aprovada, a inflação de referência passa a ser a de 12 meses até dezembro. A alteração será retroativa, revisando o teto desde 2017.

O MDB argumentava que isso gera insegurança, pois o Orçamento será definido sem que a inflação de referência seja conhecida. No entanto, o destaque foi derrotado por 316 votos a 174, em mais uma vitória do governo.

Os mercados reagiram positivamente à vitória preliminar de Lira, com a bolsa de valores de São Paulo fechando em alta de 0,72% e o dólar em baixa de 0,83% nesta terça-feira.

O único destaque aprovado pelo Plenário, numa derrota para o governo, foi de autoria do Novo. A aprovação retirou do texto a permissão para contornar a chamada “regra de ouro”.

Os deputados da base governista destacaram ao longo da votação a importância da aprovação da PEC dos Precatórios para viabilizar o Auxílio Brasil.

“Essa PEC vai permitir a aquisição de mais vacinas, vai abrir o espaço fiscal para que nós consigamos criar o Auxílio Brasil, vai resolver uma série de problemas que dizem respeito às prefeituras do Brasil quanto às dívidas previdenciárias”, argumentou o líder do PSL, deputado Vitor Hugo (GO).

Já os deputados da oposição criticaram o que chamaram de “calote” nos precatórios e a troca do Bolsa Família pelo novo Auxílio Brasil.

“A população está morrendo de preocupação porque o Bolsa Família era uma garantia estruturante, e agora apareceu um projeto de só um ano. A população está preocupada com o que vai comer depois de dezembro com essa política econômica adotada pelo governo Bolsonaro”, disse o deputado Ênio Verri (PT-PR).

Pelo planejamento do governo, o novo Auxílio Brasil deve ter valor de R$ 400 só até dezembro de 2022. Depois desse período, volta para um valor mais baixo, de em média R$ 217, daí a referência do deputado da oposição a um “projeto de só um ano”.

ACM NETO ANUNCIARÁ PRÉ-CANDIDATURA AO GOVERNO DA BAHIA NO DIA 2 DE DEZEMBRO

O presidente nacional do Democratas, ACM Neto, anunciará sua pré-candidatura ao governo da Bahia no dia 2 de dezembro. O evento será realizado no Novo Centro de Convenções, a partir das 9h30, e vai contar com a presença de lideranças políticas e apoiadores locais e nacionais. A cerimônia também será transmitida ao vivo nos canais de ACM Neto.

“Chegou a hora! No dia 2 de dezembro, lanço, oficialmente, a minha pré-candidatura ao governo da Bahia. Quem acredita que o nosso estado pode muito mais vai colar comigo! Espero vocês lá”, escreveu Neto em seu perfil no Instagram.

CASAL SUSPEITO DE ESTUPRAR MELHER E TRANSMITIR CRIME EM ‘LIVE’ NA INTERNET SE APRESENTA A POLÍCIA

O casal suspeito de estuprar uma mulher e transmitir o crime durante uma “live” na internet se apresentou à polícia de Brumado, no sudoeste da Bahia, na tarde desta terça-feira (9), acompanhado de um advogado.

De acordo com o titular da Delegacia Territorial (DT) de Brumado, delegado Paulo Henrique de Oliveira, na ocasião, foram cumpridos os mandados de prisão preventiva decretados contra casal, que agora fica à disposição da Justiça.

O crime aconteceu na zona rural de Brumado, no dia 24 de outubro, e os suspeitos foram identificados como Gleison Moreira Pinheiro, de 33 anos, e Kelly Suane Teixeira Apolinário, de 24. Ainda segundo o delegado, Gleison trabalha como Dj e é bastante conhecido na região.

A polícia também detalhou que a vítima era maior de idade e foi drogada e alcoolizada antes de ser estuprada. Não há informações sobre como o caso foi denunciado, nem sobre o estado de saúde da vítima.

O local onde o crime foi praticado passou por perícia do Departamento de Polícia Técnica (DPT), que recolheu objetos e provas.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia