banner-130
engen22
mineraz

:: ‘Saúde’

“Poderia ser com qualquer um”, diz mulher de Evaristo Costa após 3 AVCs

evarAmália Stringhini, mulher do apresentador do Jornal Hoje, Evaristo Costa, falou sobre o Acidente Vascular Cerebral (AVC) que sofreu. “Poderia ser com qualquer um”, disse a assessora de comunicação em entrevista nesta quarta-feira (25) ao site Ego.

Amália está internada no no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Amália sentiu tontura e confusão mental no dia 18, no colégio das filhas, Francesca, 4 anos, e Antonella, 2. Ela ainda conseguiu ligar para Evaristo, que estava de férias e a socorreu.

Mulher de Evaristo Costa sofre AVC e está internada; apresentador cuida das duas filhas do casal

“Está dando tudo certo e bola pra frente”, disse Amália ao Ego. Ainda não há previsão de alta.

Karla Ichiba, representante de Amália, disse ao Ego que os três AVCs sofridos pela assessora foram “uma surpresa”. Segundo ela, Amália pratica atividades físicas, não fuma e não tem histórico de problemas de saúde.

“Felizmente, ela não ficou com sequelas. Está bem, conversando, mas os médicos a deixaram em observação devido à gravidade da situação. Foram três AVCs”, ressaltou Karla, completando que a amiga também tem feito exames.

Em nota, a Globo informou que o jornalista “voltou ao ‘Jornal Hoje’ depois das férias e está feliz com a recuperação de sua esposa”.

Jovens têm poucas informações sobre sexo e métodos contraceptivos, diz pesquisa

namoradosFoto: Iconogenic / Getty Images

Uma pesquisa divulgada recentemente pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp), feita em parceria com os laboratórios Bayer, revela que os jovens possuem poucas informações sobre sexo. Grande parte deles inicia a vida sexual entre 16 e 18 anos de idade, mas possuem vergonha de falar sobre sexo e métodos contraceptivos.

De acordo com a pesquisa da EFM-Unifesp, 53% das mulheres têm a primeira relação sexual neste período, mas 60% delas não se sentem confortáveis em tocar nestes assuntos. Apenas 31% das entrevistas relataram já ter tido uma conversa positiva sobre sexualidade com os pais ou responsáveis. Um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que este desconhecimento entre os jovens é uma situação mundial. Cerca de 16 milhões de meninas entre 15 e 19 anos dão à luz todo ano, a maioria em países de baixa ou média renda, segundo dados de 2014.

De acordo com O Globo, Ana Salles tinha um relacionamento de oito meses quando engravidou de forma não planejada de Ana Christina, hoje com 8 anos. Na época, ela tinha 15 anos, e havia perdido a virgindade pouco antes. “Minha mãe achava um absurdo uma menina da minha idade tomar anticoncepcional. Agora sei que isso era uma ignorância da parte dela”, lembra Ana.   :: LEIA MAIS »

Mulher de Evaristo Costa, da Globo, sofre três AVCs em um dia e está internada

Evaristo

Evaristo Costa e Amália Stringhini

A mulher do apresentador do jornalista da Globo, Evaristo Costa, sofreu três Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs) na última quarta-feira (18). De acordo com a Revista Caras, Amália Stringhini está internada em hospital de São Paulo, mas, apesar do susto, passa bem.

Ainda de acordo com a publicação, os AVCs aconteceram enquanto Amália buscava suas duas filhas com Costa – Francesca, de quatro anos, e Antonella, de dois – na escola. Ao se sentir mal, ela conseguiu ligar para o marido a tempo e dizer que estava passando mal. Ele chamou os médicos e ela foi levada para o hospital – onde permaneceu internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) nos primeiros dias, mas agora já se recupera em um quarto regular.

Karla Ichiba, amiga e assessora de Amália, disse que ela não ficará com sequelas. “Ela está bem, mas foi um baita susto. Ninguém espera que isso vá acontecer, principalmente com a idade dela [38 anos]. O santo dela é forte! Graças a Deus ela não ficará com nenhuma sequela. Está falando normalmente, conversando com todos”, explicou.

:: LEIA MAIS »

Vídeo chocante mostra momento em que médicos puxam faca de olho de paciente que estava acordado durante procedimento

faca no olho

Vídeo chocante mostrou o momento em que médicos puxaram uma faca do olho de um homem, que estava acordado e consciente durante todo o procedimento.

Um vídeo chocante mostrou o momento em que médicos puxaram uma faca do olho de um homem, que estava acordado e consciente durante todo o procedimento.

Nas imagens, o paciente aparece sentado em uma cama de hospital enquanto médicos e enfermeiros o cercam.

Uma faca que parece ser de cozinha pode claramente ser vista saindo por sua cavidade ocular.

Uma das médicas tenta lentamente puxar a lâmina do olho da vítima, mas ela parece estar muito presa.

Apesar dos ferimentos, o paciente não parece estar sentindo dor. Acredita-se que o homem, embora acordado, estivesse sedado.

31

Não se sabe como a faca foi parar no olho do paciente, nem onde o clipe foi filmado. A médica conseguiu arrancar a faca ao usar força para puxar o instrumento.

As imagens abaixo são fortes:

LAMA DE BARRAGEM CHEGA AO MAR DO ESPIRITO SANTO E DEVE AVANÇAR 9KM

mar de lamaA prefeitura de Linhares (ES) interditou as praias de Regência e Povoação após a chegada ao mar da lama do rompimento de barragem em Mariana (MG).

A prefeitura espalhou placas ao longo das praias informando que a água está imprópria para o banho. A lama com rejeitos de minério vinda pelo Rio Doce atingiu o mar ontem (22), segundo informações da prefeitura.

De acordo com a ministra do Meio Ambiente,  Izabella Teixeira, a lama deve se espalhar por uma extensão de 9 quilômetros no mar. A população de Regência e Povoação vive da pesca e do turismo e tem as atividades prejudicadas com a água barrenta que avança sob o mar.

Na sexta-feira (20) o titular da 3ª Vara Civil de Linhares, juiz Thiago Albani, determinou que a Samarco retirasse as boias de contenção instaladas e abrisse a foz do Rio Doce para que a lama de rejeitos se dissipe no mar.

Para a decisão, foram ouvidos técnicos ambientais do município e de órgãos como o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).

ROTARY DAY EM HOMENAGEM AO NOVEMBRO AZUL: DISPONIBILIZA VÁRIOS EXAMES GRATUITOS

Rotary Day

Falar mais de uma língua pode evitar sequelas de AVC, sugere estudo

linguasDesafio mental de falar vários idiomas pode aumentar nossa reserva cognitiva – habilidade que o cérebro tem para lidar com influências prejudiciais

Falar mais de uma língua não traz apenas benefícios culturais. Segundo um estudo recente feito na Universidade de Edimburgo, na Escócia, ser bilíngue pode ajudar pacientes a se recuperarem melhor de um AVC (acidente vascular cerebral).

Falar mais de uma língua pode evitar sequelas de AVC, sugere estudo

A pesquisa foi feita com 600 pessoas que foram vítimas de derrame – o resultado mostrou que 40,5% das que falavam mais de uma língua ficaram sem sequelas mentais; entre as que falavam apenas uma língua, só 19,6% ficaram sem sequelas.

Os pesquisadores acreditam que o estudo, que foi financiado pelo Conselho Indiano de Pesquisa Médica, sugere que o desafio mental de falar vários idiomas pode aumentar nossa reserva cognitiva – habilidade que o cérebro tem para lidar com influências prejudiciais, como AVC ou demência.

O estudo – divulgado na publicação científica da American Heart Association – também levou em consideração idade dos pacientes, se eles eram fumantes ou não, se tinham pressão alta e se eram diabéticos.

Resultados

De acordo com os resultados da pesquisa, a habilidade bilíngue teria um papel “protetor” no desenvolvimento de qualquer disfunção cognitiva após um AVC.

É a primeira vez que se faz um estudo estabelecendo uma relação entre o número de línguas que um paciente fala e as consequências de um AVC para as funções cognitivas.

“A porcentagem de pacientes com funções cognitivas intactas depois de um AVC representava mais que o dobro em pessoas bilíngues em comparação com aquelas que só falam uma língua”, diz a pesquisa.

“Em contraste, pacientes com disfunções cognitivas eram muito mais comuns entre os que só falavam uma língua.”

Aprender outras línguas é algo que exige uma “ginástica” do cérebro, e vários estudos científicos já mostraram que falar muitos idiomas pode melhorar a atenção e a memória, formando uma “reserva cognitiva” que atrasa o desenvolvimento da demência, por exemplo.

“O bilinguismo faz com que as pessoas mudem de uma língua para outra, então quando eles inativam uma língua, eles precisam ativar a outra para poderem se comunicar”, explicou Thomas Bak, um dos autores do estudo na Universidade de Edimburgo.

“Essa troca oferece um treinamento cerebral praticamente constante , o que pode ser um fator relevante para ajudar na recuperação de um paciente que teve um AVC”, finalizou.

Quatro exercícios abdominais pra deixar a barriga durinha

mão barrigaProfessor de educação física, Diego Paladini mostra série de exercícios para fazer em casa. Veja detalhes no vídeo abaixo:barrigag

Aquecimento, abdominal, prancha… Diego Paladini, professor de educação física, mostra quatro exercícios para se fazer em casa e deixar a barriga durinha para o verão.barrigag1

A série inclui abdominal bike, prancha em T, exercício com bola de futebol e abdominal infra.

Marido falha durante noite de núpcias e se divorcia de esposa

falhou na horaEle achou condenável o atrevimento da mulher ao tentar ajudá-lo em ato sexual

Um marido, nascido no Kuwait, não conseguiu cumprir suas obrigações conjugais durante a noite de núpcias com sua mulher na Arábia Saudita, e acabou se divorciando de sua jovem esposa um dia após o casamento. A moça, então, supostamente tentou tranquilizar o marido sobre a situação, e mostrou-lhe o que fazer, porém isso não foi bem visto pelo homem.

O marido recebeu diversas críticas em uma rede social, onde um vários internautas chamaram ele de “derrotado”. Os usuários argumentaram que a nova geração de muçulmanas conservadoras aprende sobre sexo na Internet e que a atitude da mulher na situação não era indicativo de que ela não fosse virgem, mas simplesmente que ela sabia como usar a internet. As identidades dos envolvidos não foram reveladas.

Pesquisadores descobrem possível ‘cura’ para diabetes

diabetesDesativação de hormônio dispensaria injeções de insulina, dizem cientistas.
Testes pré-clínicos foram feitos em camundongos.

Uma equipe do Centro Médico da Universidade do Sudoeste do Texas, nos Estados Unidos, sugere que a desativação de um hormônio pode ser suficiente para tratar diabetes tipo 1, uma doença autoimune – na qual o sistema de defesa ataca as células e tecidos do próprio corpo -, que faz as concentrações de açúcar no organismo ficarem muito altas. A descoberta será tema de edição de fevereiro da revista especializada “Diabetes”.

Liderados por Roger Unger, professor da instituição e principal autor do artigo científico, os pesquisadores testaram a capacidade de camundongos, cobaias comuns em testes pré-clínicos, aproveitarem o açúcar presente no sangue, fruto da alimentação dos animais.

O truque foi alterar geneticamente os roedores para que produzissem quantidades menores de uma substância conhecida como glucagon, responsável por impedir que os níveis de glicose (açúcar) fiquem muito baixos.

No caso dos diabéticos, essa ação do glucagon faz os níveis de glicemia aumentarem muito. Esse efeito seria compensado em pessoas saudáveis pela ação da insulina, responsável por permitir que o açúcar penetre nas células do corpo. Dentro delas, a glicose poderia ser imediatamente aproveitada para gerar energia ou armazenada. Mas para os pacientes com diabetes tipo 1, a produção de insulina não existe ou é seriamente comprometida.

Mas os pesquisadores norte-americanos acreditam que os resultados obtidos com os camundongos apontem que, caso os níveis de glucagon consigam ser controlados, a insulina se torna supérflua, já que os níveis de glicemia estariam normais, dispensando as injeções da substância para equilibrar a “balança” do açúcar no sangue.

Batalha de hormônios
A insulina deixa de existir em pacientes com diabetes tipo 1 pois o sistema de defesa do corpo ataca 90% ou mais das células beta, estruturas localizadas em uma região do pâncreas conhecida como Ilhotas de Langerhans. Com a ausência da insulina, os níveis de glicemia no sangue não abaixam e não há ação para impedir a influência do glucagon.

:: LEIA MAIS »

TOMAR CHÁ FORTALECE OS OSSOS

chá

As mulheres que bebiam três ou mais xícaras de chá por dia tinham uma probabilidade 30% menor de sofrer uma fratura, em comparação com aquelas que bebiam menos de uma xícara de chá por semana

De acordo com novo estudo, o consumo de três xícaras da bebida por dia reduz em 33% o risco de fraturas ósseas

O consumo diário de três xícaras de chá pode reduzir em 33% o risco de fraturar o quadril. É o que diz um estudo publicado no periódico cientifico Journal of Clinical Nutrition.

Cientistas dos Hospitais Sir Charles Gairdner, em Perth, de Royal Perth e da Universidade do Sul da Austrália Flinders, em Adelaide, todos na Austrália, avaliaram a saúde de cerca de 1.200 mulheres, com cerca de 70 anos. Cada uma das participantes respondeu sobre seus hábitos de consumo de chá e foi acompanha de perto pelos pesquisadores por um período de dez anos.

Ao longo do estudo 288 mulheres caíram e quebraram um osso. Quase a metade delas sofreram fraturas no quadril. Os resultados mostraram que as mulheres que bebiam três ou mais xícaras de chá por dia tinham uma probabilidade 30% menor de ter o osso fraturado, em comparação àquelas que bebiam menos de uma xícara de chá por semana. Diante disso, os pesquisadores concluíram que cada xícara de chá correspondia à redução de 9% no risco de fratura.

:: LEIA MAIS »

Ejacular pelo menos 21 vezes por mês reduz risco de câncer de próstata

saúde ejUma pesquisa desenvolvida por epidemiologistas da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, concluiu que uma maior frequência de ejaculações reduz o risco de câncer de próstata. A partir do acompanhamento de 32 mil homens ao logo de 20 anos, os cientistas identificaram um risco 20% menor de desenvolvimento da doença entre homens que ejaculavam pelo menos 21 vezes por mês, quando comparado àqueles com frequência de até sete vezes.

Segundo o site Medscape, o estudo foi apresentado em congresso da Associação Americana de Urologia. Não houve diferenciação entre ejaculações fruto de sexo ou masturbação.

Oito motivos pelos quais a mulher não consegue atingir o orgasmo

mogAtingir o orgasmo é o momento alto de uma relação sexual. E para muitos casais, o clímax continua a ser uma das principais dores de cabeça para as mulheres.

Depois de conversar com uma série de médicos especializados, a Cosmopolitan listou aqueles que são os principais motivos pelos quais as mulheres não conseguem alcançar o orgasmo. :: LEIA MAIS »

Pela primeira vez no mundo, zika vírus é relacionado a microcefalia em bebê

zika virusO Ministério da Saúde confirmou, na tarde desta terça-feira (17), a presença de zika vírus em duas gestantes daParaíba que estão com bebês no útero já diagnosticados com microcefalia. Essa foi a primeira confirmação no mundo da relação entre o vírus e o problema que atinge o Nordeste –até ontem já foram registrados 399 casos.

Na última quarta-feira (11), o Ministério da Saúde decretou emergência em saúde pública de importância nacional devido ao aumento de casos na região. “Foi identificado o zika vírus em líquido amniótico colhido de duas gestantes da Paraíba que haviam apresentado, por ultrassom, de que havia desenvolvimento da criança com microcefalia, em particular dentro do útero. A Fundação Oswaldo Cruz, por três técnicas diferentes, confirmou o mesmo resultado”, disse o diretor do departamento de vigilância das doenças transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch.

Apesar da confirmação, por se tratar de um caso novo no mundo, não pode ser tratado como certeza. “Isso fecha diagnóstico? Diria que quase. Além de estar presente do organismo ele passou para o feto. É altamente provável que as duas coisas estejam ligadas, que não seja apenas uma coincidência, mas que uma coisa é determinante a outra”, afirmou.

A preocupação é enorme. É uma situação nova, grave, cuja dinâmica não está completamente compreendida. Cláudio Maierovitch

Para ele, com o exame, a situação é “toda nova” e ainda há “muitas perguntas sem resposta.” “Não temos relatos em lugar nenhum do mundo sobre relação de vírus zika com má relação congênita de qualquer espécie. Afirmar que é necessita de um conhecimento científica comprovado, que não está. Por isso digo que é provável. Nossos cientistas e os do mundo que podem nos ajudar a comprovar causa e efeito”, informou.

Segundo o ministério, o vírus zika está circulando em 14 Estados do país, entre eles todos do Nordeste, Rio de Janeiro e São Paulo. A doença é nova no país e teve uma primeira epidemia registrada, especialmente no Nordeste.

O diretor afirma que não há muito o que se fazer em caso de diagnóstico. “Não há nenhum tipo de tratamento para infecção aguda. No caso de consequências graves, como ocorre com dengue, existem as medidas adequadas, mas elas não encurtam a duração da doença. Não há hoje, conforme o conhecimento que temos, nenhuma orientação específica para dar, inclusive a gestante. Se a relação entre zika e microcefalia for real, temos que trabalhar mais intensamente ainda na prevenção. Acreditamos que esse fato novo ajude a sensibilizar a população e profissionais de saúde”, explicou o diretor.

O vírus zika tem algo particular: 80% dos casos não têm manifestações clínicas. É impossível estimar qual a magnitude da epidemia [no Brasil]. Sabemos que foi dezenas de milhares de casos, em 14 Estados. Cláudio Maierovitch

Segundo o ministério, outros dois fatores ajudaram a suspeita de relação entre o vírus e o problema. “Dois outros aspectos somam: não se encontrou até agora outra causa que explicasse esse aumento. Outra é que tivemos uma circulação importante no primeiro semestre, primeira vez da nossa história, o que favorece o entendimento”, disse Maierovitch.

O ministério informou que vai pedir ajuda para investigação do vírus.

Pedido de ajuda internacional

“Fizemos à OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) um pedido para que tivéssemos apoio internacional. Solicitamos que outros especialistas de fora nos apoiem, não por que não temos especialistas no Brasil. Em se tratando de uma situação absolutamente nova do ponto de vista científico, que pode representar tipo de risco para outros países, achamos importante essa cooperação”, pontuou.

O ministério informou que dois grupos vão se dedicar, a partir de agora, no estudo do problema. “Um será constituído por especialistas que entendem de medicina fetal, de má-formação e de epidemiologia; ele trabalhará numa definição mais precisa dos casos, de todos os segmentos que têm de ser feitos de confirmação. O segundo grupo vai se dedicar mais aos exames laboratoriais, buscando um refinamento de exame do vírus e possibilidade de cooperação da rede pública no aperfeiçoamento dessa metodologia”, afirmou.

Ainda não existe método de diagnostico do vírus zika amplo. O diagnóstico é feito por critério clínico e epidemiológico. Para se ter certeza que é zika é preciso isolar o vírus, mandar para laboratório. Não é a prática. Cláudio Maierovitch

Maierovitch disse que é importante também um acompanhamento mais próximos dos Estados a partir de agora. “[Precisamos] enquadrar e acompanhar rapidamente se há crescimento em outros Estados também. Além disso, pedimos aos Estados que transmitam aos profissionais de saúde as preocupações e recomendações”, afirmou.

:: LEIA MAIS »

Novembro Azul: o preconceito pode valer uma vida

novembro azul1Vivemos em uma sociedade onde as mulheres recebem orientações básicas de como cuidar do corpo desde muito cedo. A própria natureza deu uma mão para elas, pois a chegada da menstruação é um convite especial para uma primeira visita ao ginecologista. Ancoradas nos murros do “sexo frágil”, elas se debruçam por horas em conversas com a mãe, tias, amigas e professoras para tirar dúvidas e buscar auxílio quando necessário. Na contramão de todo o processo estão os homens.

Sempre donos da razão, viris, fortes e sedutores. Ir ao médico? Jamais! Sinal de fraqueza e de falta de informação, pois a maioria nunca recebeu orientação para ir ao urologista. Quando perdeu a virgindade contou para os amigos e morreu ali a conversa. A cultura masculina evita a ida dos homens ao médico, já que, nós, estamos buscando o tempo todo mostrar força e domínio nos cuidados com a saúde da esposa e dos filhos.  Ainda hoje, muitos preferem não saber se tem alguma doença, pois acham que poderão viver mais. Lei do engano.  novembro azul2

Dados federais mostram que os homens são maioria nos atendimentos de alta complexidade médica e minoria no atendimento básico, ou seja, quando procuram ajuda já estão em uma fase muito complicada.  Dados do SUS (Sistema Único de Saúde) mostram que, de todas as internações por transtornos mentais no Brasil, pelo menos 20% são de homens vítimas do alcoolismo. A dependência do álcool, em diferentes níveis, atinge 14% da população masculina, segundo uma estimativa do governo federal. O câncer de próstata apresenta 60 mil casos por ano no país. Há 90% de chance de cura quando diagnosticado a tempo. No Brasil morrem por ano, 14 mil homens vitimas da doença, ou seja, descobriram já no último estagio quando passou para outros órgãos do corpo.

:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia