banner-130
engen22
mineraz

:: ‘Saúde’

BLOG DO TARUGÃO VISITA RESIDÊNCIA NO CENTRO DA CIDADE APÓS DENÚNCIAS EM REDES SOCIAIS

ADG20Na manhã desta sexta-feira (19) a equipe de reportagem do Blog do Tarugão, esteve na rua Tiradentes no centro da cidade para averiguar denúncias em relação a uma referida residência, onde possivelmente estaria infestada de larvas do MOSQUITO AEDES AEGYPTI.AGD12 AGD8 AGD6

O mosquito é o transmissor da tríplice doença (DENGUE, CHIKUNGUNYA e ZIKA).

Nossa equipe foi muito bem recebida pelo proprietário da residência, de pronto fomos convidados a entrar, verificar e inspecionar uma laje que armazena uma grande quantidade de água.AGD7 AGD10

A primeira impressão foi que ali (na laje) tivemos, foi que o local era muito propício para a proliferação do mosquito.

Ao aproximar e observar de perto, nossa equipe chegou á conclusão que, dificilmente se encontraria larvas no local.

A água armazenada na laje tinha apenas lodo e também muitos peixes da espécie, PIABA. Vale apena salientar que, as referidas PIABAS, se alimentam de larvas e lodo.AGD2

O AGENTE de ENDEMIAS já estava visitando e monitorando o local. Pois na última segunda-feira (15/02/2016) e nesta sexta-feira (19/02/2016) o mesmo se fez presente, fato ocorrido momentos antes da chegada da nossa equipe.

Mesmo assim o proprietário, acabou ficando preocupado e já pensa em esvaziar e cobrir a laje, eliminando de vez, qualquer risco de ser surpreendido pelos mosquitos.

O Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas.

Costuma picar nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, evitando o sol forte, mas, mesmo nas horas quentes, ele pode atacar à sombra, dentro ou fora de casa. Há suspeitas de que alguns ataquem também durante a noite.

O indivíduo não percebe a picada, pois no momento não dói e nem coça.

Modo de transmissão

A fêmea pica a pessoa infectada, mantém o vírus na saliva e o retransmite.
A transmissão ocorre pelo ciclo homem-Aedes aegypti-homem. Após a ingestão de sangue infectado pelo inseto fêmea, transcorre na fêmea um período de incubação. Após esse período, o mosquito torna-se apto a transmitir o vírus e assim permanece durante toda a vida. Não há transmissão pelo contato de um doente ou suas secreções com uma pessoa sadia, nem fontes de água ou alimento.

seta O mosquito Aedes aegypti também pode transmitir a febre amarela.

Período de incubação

Varia de 3 a 15 dias, mas tem como média de cinco a seis dias.

O Ciclo do Mosquito

Mosquito da dengue Mosquito da dengue Mosquito da dengue

O ciclo do Aedes aegypti é composto por quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. As larvas se desenvolvem em água parada, limpa ou suja. Na fase do acasalamento, em que as fêmeas precisam de sangue para garantir o desenvolvimento dos ovos, ocorre a transmissão da doença.

O seu controle é difícil, por ser muito versátil na escolha dos criadouros onde deposita seus ovos, que são extremamente resistentes, podendo sobreviver vários meses até que a chegada de água propicia a incubação. Uma vez imersos, os ovos desenvolvem-se rapidamente em larvas, que dão origem às pupas, das quais surge o adulto.

O único modo possível de evitar a transmissão da dengue é a eliminação do mosquito transmissor.
A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença.

Por Eliomar Barreira

Boa Notícia: cura do HIV deve ser revelada daqui a alguns meses, anunciam pesquisadores

hivCientistas dinamarqueses fizeram testes em humanos e esperam resultados para o que talvez seja a resposta para a cura do HIV, que causa a AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida). A técnica envolve libertação do vírus de “reservatórios”, que estes formam no DNA das células, levando-o para a superfície das mesmas.

Depois de “exposto” na superfície da célula, o vírus pode ser eliminado naturalmente pelo sistema imunológico, capaz de criar uma “vacina” contra ele. O pesquisador que lidera o estudo Dr. Søgaard, da Universidade de Aaarhus, na Dinamarca afirma: “Estou quase certo de que teremos sucesso. O desafio será fazer o sistema imunológico dos pacientes reconhecer o vírus, depois de exposto, e destruí-lo. Isto depende da força e da sensibilidade dos sistemas imunes individuais”,

Como forma de incentivo a continuar as pesquisas, o conselho de pesquisa dinamarquês premiou os pesquisadores com cerca de R$ 5 milhões. Ainda de acordo com o pesquisador, a vacina não é preventiva e por isso as campanhas de conscientização e os métodos preventivos usados hoje não podem ser deixados de lado.

Anvisa autoriza registro de teste que detecta zika em até 20 minutos

sangueO jornal O Globo divulgou que o fabricante, a empresa canadense Biocan Diagnostics Inc, explicou que o resultado pode ser conhecido entre 15 e 20 minutos depois da aplicação do teste. É o quarto produto a obter registro da Anvisa para detectar a presença do vírus. A medida foi publicada na edição desta segunda-feira (15) do Diário Oficial da União.

Segundo a publicação, o teste não detecta o vírus diretamente, mas os anticorpos IgC e IgM em amostras de sangue. Esses anticorpos permitem saber se a pessoa foi infectada, mesmo após o vírus já ter sido eliminado do corpo. Dos outros três testes para zika que já tinham obtido registro, dois também permitiam identificar se a pessoa contraiu zika após a eliminação do vírus.

A Anvisa informou ainda que “o produto fabricado pela empresa canadense Biocan Diagnostics INC. utiliza como suporte uma membrana de nitrocelulose em que os anticorpos são capturados e revelados por meio de uma reação que promove a formação de uma banda em cor vermelha para cada um dos anticorpos presente”.

Até agora o diagnóstico de zika é realizado principalmente pelo PCR, teste que identifica o código genético do vírus. Porém, o exame apenas aponta a infecção durante o período de manifestação dos sintomas, o que dura entre 2 e 7 dias.

Rio Grande do Sul mantém suspensão de larvicida

:: LEIA MAIS »

DRª GRASIELLE DRUMOND PARTICIPA DO JORNAL DA CIDADE NA CIDADE FM 94,3 NESTA TERÇA E FALA SOBRE A SAÚDE DOS OLHOS: MOSCAS VOLANTES E CONJUNTIVITE

DR. GRASIELLE DRUMONDMoscas volantes são pequenos pontos escuros, manchas, filamentos, círculos ou teias de aranha que parecem mover-se na frente de um ou de ambos os olhos. São percebidas mais facilmente durante a leitura ou quando se olha fixamente para uma parede vazia. A denominação moscas volantes vem do latim, pois há mais de dois mil anos, na Roma antiga, as pessoas já usavam a expressão “muscae volitantes” para descrever esse problema oftalmológico.

CausasmOSCAS VOLANTES

Com o processo natural de envelhecimento, o vítreo – fluído gelatinoso que preenche o globo ocular – contrai-se, podendo se separar da retina em alguns pontos, sem que cause obrigatoriamente danos à visão. As moscas volantes são proteínas ou minúsculas partículas de vítreo condensado, tecnicamente chamados grumos, formadas quando o vítreo se solta da retina. Embora pareçam estar na frente do olho, na realidade, elas estão flutuando no vítreo, dentro do olho. Nem sempre as moscas volantes interferem na visão. Mas, quando passam pela linha de visão as partículas bloqueiam a luz e lançam sombras na retina, a parte posterior do olho onde se forma a imagem.

Grupos de risco

:: LEIA MAIS »

Colômbia: um país em pânico por causa do zika

Colombia e a ZikaCom mais de 30 mil infectados, a Colômbia é, ao lado do Brasil, um dos países mais atingidos pelo surto do vírus zika.

Ao contrário do vizinho, não é a microcefalia ─ tipo de má-formação cerebral em fetos – que preocupa o governo, mas o aumento significativo no número de casos da rara síndrome de Guillain-Barré.

Cientistas se mantêm cautelosos e evitam fazer uma associação direta entre o vírus e a síndrome que pode causar paralisia grave, mas nas regiões mais atingidas o pânico é real e está aumentando.

Fabian Medina, de 22 anos, é uma das vítimas da doença. Ele deveria estar no auge da vitalidade, mas parece um homem de 90 anos de idade. Medina está se recuperando da paralisia depois de passar duas semanas em uma unidade de terapia intensiva.

Se Medina não estivesse respirando com a ajuda de aparelhos, provavelmente estaria morto. Quando perguntado se tem filhos, ele levanta um dedo com muita dificuldade. Então, com um gesto circular, descreve a barriga da mulher, grávida, e cai em prantos.

A mulher de Medina, Karen, está grávida de três meses e teve zika. Os sintomas foram leves, mas as consequências ainda são desconhecidas.

“Meu medo é que nas notícias (sobre a doença) eles falam que o bebê pode ficar deformado. Estou muito assustada e rezo para que nada de mal aconteça com ele”, disse.

Karen se preocupa com a possibilidade de microcefalia. Os casos no Brasil se multiplicaram desde o início do surto: até o dia 30 de janeiro, foram notificados, segundo o Ministério da Saúde, 4.783 casos suspeitos de microcefalia, má-formação que prejudica o desenvolvimento do cérebro do bebê.

:: LEIA MAIS »

Zika: Brasil deve se preparar para chegada de novas doenças, dizem cientistas

ZICAÓrgãos de saúde internacionais vêm emitindo alertas a pessoas viajando para o Brasil por causa da prevalência de doenças como a dengue e, desde o final do ano passado, o vírus zika.

Mas, na opinião de cientistas ouvidos pela BBC Brasil, o surto dessa nova doença revela uma mudança de realidade sanitária: por uma combinação de fatores que causou sua ascensão no cenário internacional na última década, o país está muito mais exposto à chegada de enfermidades do que no passado.

O argumento é que zika é um perfeito exemplo do aumento na vulnerabilidade brasileira para mazelas “desconhecidas”.

Apesar de não ser o único país do mundo atingido pelo vírus que durante anos esteve “dormente” na África, o Brasil apresentou, segundo especialistas, um cenário mais favorável para seu alastramento e que vai além de uma prelavência forte do mosquito Aedes aegypti em território nacional.

Nos últimos anos, o crescimento econômico do Brasil foi acompanhado por um aumento na chegada de turistas e imigrantes. O país ficou bem mais inserido no mundo globalizado, cujo ápice se deu com a realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Mas, com isso, também entrou no caminho de mais doenças.

Estudos da ONU mostram, por exemplo, que o número de viajantes internacionais saltou de 227 milhões de pessoas em 1980 para mais de 1 bilhão em 2012.

Neste sábado acontece a segunda etapa do combate ao mosquito Aedes aegypti com o apoio dos militares. Cerca de 220 mil homens e mulheres das Forças Armadas farão uma ação de conscientização para orientar a população no combate ao inseto.

Os militares vão distribuir panfletos com um número de telefone local para receber denúncias de locais onde haja proliferação do mosquito. A ação ocorre em 356 municípios, dos quais 115 concentram grande quantidade de casos de microcefalia. Segundo o comando das Forças Armadas, 3 milhões de imóveis residenciais devem ser visitados.

Aves e rebanhos

Além disso, os vírus também podem ser “importados” por acidente.

O Ministério da Saúde, por exemplo, suspeita que o chikungunya chegou ao país, em setembro de 2014, com brasileiros que adquiriram o vírus depois de viajar para áreas endêmicas.

O cenário é mais preocupante no caso de vírus que possam ser transmitidos por mosquitos e que não sejam muito conhecidos por agências sanitárias ou cientistas. Novamente, o zika serve de exemplo: até o ano passado, a possível relação do vírus com a microcefalia sequer tinha sido estudada por pesquisadores de doenças tropicais.

“O Brasil está, sem dúvida, mais vulnerável agora à chegada de doenças por conta de fatores globais e por já enfrentar um problema sério com a população de mosquitos. Um grande problema é a existência do que chamamos de populações inocentes, que não foram expostas ao vírus o suficiente para criar anticorpos, o que ajuda a explicar a velocidade da proliferação do zika”, afirma James Logan, entomologista da London School of Hygiene & Tropical Medicine.

“Qualquer doença tem potencial de chegar a qualquer país no mundo em que vivemos hoje. A ciência precisa desenvolver melhores métodos de vigilância, mas isso fica ainda mais complicado diante de um vírus como o zika, que é majoritariamente assintomático”, acrescenta o especialista.

Cientistas citam pelo menos três vírus que, em teoria, poderiam chegar ao Brasil, todos eles transmitidos por mosquitos: o O’nyong’nyong, a febre do Nilo Ocidental, e a febre do Vale de Rift (RVF).

Este último, que também tem como vetor mosquitos da família Aedes, parece hoje em dia confinado ao continente africano ─ onde, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, o CDC, matou mais de 600 pessoas em um surto no Egito, em 1977.

Porém, em 2000, o vírus se manifestou na Arábia Saudita e o no Iêmen, com mais de 1 mil casos e cerca de 160 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Também prevalecente em animais de criação, a RVF causou a morte de pelo menos 40 mil ovelhas e cabras.

Seus sintomas são bem parecidos com os de outras doenças transmitidas pelo Aedes: fraqueza, febre, dores e tonturas, que normalmente desaparecem em até uma semana. Mas uma parcela de até 10% dos casos podem desenvolver sintomas mais graves como lesões oculares, encefalite (inflamação no cérebro) e hemorragias.

“O RVF também pode ser transmitido por mosquitos Culex (o popular pernilongo) e, na teoria, pode chegar a qualquer lugar do mundo. Assim como o zika, que já ocorreu fora da África, apesar disso ter acontecido há mais de 10 anos”, explica o geneticista David Weet, da Liverpool School of Tropical Medicine.

“Teoricamente, pode voltar a se manifestar. O zika mostra como é importante para as autoridades de saúde investirem em programas de diagnósticos, especialmente porque os sintomais mais moderados do RVF são parecidos com o zika”, acrescenta Weet.

A febre do Nilo Ocidental teve seu primeiro surto no Hemisfério Ocidental em 1999, nos EUA, e em 2012 matou quase 300 pessoas no país. Ele também é transmitido pelo pernilongo. Apenas um caso de contaminação em humanos (o vírus também ataca cavalos) foi descoberto no Brasil até hoje ─ em uma área rural do Piauí, em 2014.

Quando houve o surto nos EUA, temeu-se que o vírus pudesse chegar ao Brasil por meio de aves migratórias. A febre também tem sintomas parecidos com o da dengue, o que dificulta o diagnóstico.

E, assim como o zika, os sintomas se manifestam em apenas um quinto dos casos. Sensações de fraqueza e fadiga podem durar meses. Menos de 1% do infectados pode, porém, desenvolver condições neurológicas sérias como encefalite e meningite.

Sintomas

 

:: LEIA MAIS »

OS 3 MELHORES REPELENTES NATURAIS PARA VOCÊ SE PROTEGER DA DENGUE, CHUKUNGUNYA E ZIKA

mosquitos nas mãosO verão chegou trazendo junto três grandes ameaças: a dengue, chikungunya e a zika.

A zika, neste momento, é a ameaça que está mais assustando, pelas suas possíveis complicações neurológicas.

Temos que nos defender e tomar precauções.

Repelente ajuda?

Sim, ajuda.

Mas a melhor ação é derrotar o mosquito transmissor dessas doenças, o Aedes aegypti.

Não é difícil.

Bastam a conscientização e o esforço da população.

Todos nós temos que assumir o papel de fiscais e trabalhar para evitar o surgimento de focos do mosquito em casa, na vizinhança e no trabalho.

Veja na imagem abaixo os cuidados que todos devem ter:

como evitar dengue

E os repelentes?

Os repelentes naturais funcionam?

Para começo de conversa, nenhum repelente é garantia de 100% de proteção.

Nem mesmo os químicos.

Eles ajudam, mas não nos protegem totalmente.

Por isso a grande necessidade de combater os focos do mosquito.

Mas, voltando aos repelentes, eles ajudam sim.

Os químicos t~em de fato uma proteção mais poderosa e prolongada.

Mas as consequência a longo prazo, pela intoxicação que provocam, podem ser péssimas.

Os naturais protegem também, mas a ação é mais fraca, tanto que a reaplicação deles precisa ser em menos tempo.

O ideal, no caso dos repelentes naturais, é reaplicá-los de duas em duas horas, ou até menos disso.

A grande vantagem deles é que não oferecem riscos de intoxicação e de efeitos colaterais (a longo prazo) como os químicos e têm um custo mais baixo.

Enfim, entre repelentes químicos e naturais, a escolha é sua, pois cada um tem suas vantagens e desvantagens.

mas que fique claro: nenhum repelente, repetimos, protege totalmente.

Por isso a melhor proteção é derrotar os mosquitos evitando a reprodução deles.

Agora vamos ensinar duas receitas de repelentes naturais.

Eles não têm contraindicações, mas é preciso fazer o teste de sensibilidade: passe um pouco do repelente no braço e veja se ocorre alguma reação alérgica.

Se não ocorrer, o uso está liberado.

RECEITA 1

mosquitos nas mãos

INGREDIENTES

10g de citronela picada

:: LEIA MAIS »

ITAPETINGA: TIRO DE GUERRA E AGENTES DE ENDEMIAS PROMOVEM MUTIRÃO PARA ELIMINAR O MOSQUITO AEDES AEGYPTI

Combate ao MosquitoSeis mil e seiscentos militares das Forças Armadas e agentes de saúde pública realizam das 8 às 18h deste sábado (13), uma série de ações de combate ao aedes aegypti na Bahia, com a presença do ministro da Saúde, Marcelo Castro. As atividades integradas fazem parte da segunda etapa da Operação Força Amiga, que acontece simultaneamente em todos os estados brasileiros. Ao todo, mais de 220 mil militares estarão mobilizados para o enfrentamento do inseto.

Esta fase da operação é focada na conscientização a respeito dos riscos da proliferação do mosquito e dos efeitos negativos das doenças provocadas pelo inseto. Os voluntários vão visitar residências e estabelecimentos comerciais e orientar a população por meio do diálogo e da entrega de material gráfico.

Em Itapetinga também haverá essa ação. O Tiro de Guerra 06-023 sobre o comando do 1º Sargento Lazaro, convocou todos os Atiradores que estão na Ativa e Reserva para ajudar nessa tão importante missão.

Os TG em parceria com os Agentes de Endemias realizarão um grande mutirão e para que tudo seja bem sucedido, o seu apoio é fundamental.

Os voluntários orientados pelos Agentes de Endemias, percorrerão vários bairros, aplicando veneno contra o “Mosquito” e também recolhendo recipientes que estão acumulando água ou que no futuro também poderão Acumular.

Em 07 dias uma Larva se transforma em um “Mosquito Malvado” que causa problemas gravíssimos a saúde humana.

JOVEM MORRE COM SUSPEITA DE DENGUE HEMORRÁGICA

rfO jovem Rafael Esteves Farias Monteiro, de 22 anos, morreu na quinta-feira (11), no Hospital São Lucas, em Itabuna, no sul da Bahia, vítima da dengue hemorrágica, conforme aponta o atestado de óbito do rapaz. Parentes do jovem disseram que ele começou a manifestar os sintomas na segunda-feira (8), e que esteve no Hospital São Lucas, na segunda e terça (9).

O jovem foi atendido e liberado mesmo com sangramento na gengiva. Amostras de sangue de Rafael Monteiro foram colhidas para confirmar o diagnóstico. A direção técnica da unidade de saúde, que é administrada pela Santa Casa de Misericórdia, apura se ele recebeu o atendimento necessário.

“A gente vai averiguar agora esses atendimentos anteriores para ver se ele já manifestava sinais de alerta antes, ou não, para poder a gente entender essa evolução do quadro dele”, disse Lívia Mendes, diretora técnica do Hospital São Lucas.Itabuna vive uma epidemia de dengue, chikungunya e zika vírus. Segundo a secretaria municipal de Saúde, de junho de 2015 até fevereiro de 2016, foram notificados mais de doze mil casos.

Os hospitais da cidade estão lotados de pessoas com sintomas dessas doenças. O tempo de espera por atendimento passa de cinco horas. Tem gente que espera deitado no chão, em frente ao Hospital São Lucas e no Hospital de Base.

Aborto em casos de microcefalia divide igrejas cristãs

microcefalia12O aborto em casos de microcefalia não é uma questão consensual entre as várias igrejas cristãs no Brasil e seus representantes religiosos que participaram, na manhã desta quarta-feira, do lançamento da campanha da fraternidade, uma iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O foco da campanha neste ano é o saneamento básico.

Enquanto a Igreja Católica, por exemplo, é contra a possibilidade de interromper a gestação, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil ainda não tem posição formada, e setores da Igreja Batista acham que a mulher deve ter direito ao aborto nesses casos.

A microcefalia é uma malformação na qual os bebês nascem com a cabeça menor que o normal e, na maioria dos casos, leva ao retardo mental. Exames feitos por laboratórios ligados ao Ministério da Saúde mostram ligação entre a epidemia de microcefalia, que atinge principalmente o Nordeste, e o vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, que também é vetor da dengue e da chicungunha. Na sexta-feira da semana passada, a Organização das Nações Unidas (ONU) pediu que os países atingidos pelo zika permitam o acesso de mulheres à contracepção e ao aborto.

Fonte: O Globo

Ministério da Saúde confirma 3° morte por Zika em adultos no Brasil

zika3O Ministério da Saúde confirmou a terceira morte provocada pelo zika em adultos no Brasil. A paciente foi uma jovem de 20 anos do município de Serrinha, Rio Grande do Norte. O caso ocorreu em abril de 2015. Na época, médicos suspeitaram que a morte poderia estar relacionada à dengue grave, mas exames deram inconclusivos.

Diante do aumento de casos de zika registrados no País ano passado, o Instituto Evandro Chagas decidiu fazer uma nova análise do material, encontrando, desta vez, confirmação para a infecção por zika. O achado, considerado de extrema importância por autoridades sanitárias, foi levado à Organização Mundial da Saúde (OMS). zika

O primeiro paciente a ter óbito por zika era um homem do Maranhão. O resultado, divulgado em novembro, foi analisado com cuidado por causa das condições do paciente. Ele apresentava lúpus, uma doença que pode se complicar de forma expressiva quando o organismo é infectado por bactérias ou por vírus, como o zika.

No segundo caso, confirmado dias depois, a paciente, também uma jovem, não tinha até a infecção problemas graves de saúde. Os primeiros sintomas apresentados foram dor de cabeça, náuseas e pontos vermelhos na pele e nas mucosas em setembro. Ela morreu no fim de outubro.

:: LEIA MAIS »

Hospitais lotados: Itabuna vive epidemia provocada por mosquisto Aedes Aegypti

HbItabuna está vivendo uma epidemia provocada pelo mosquito Aedes Aegypti, sendo registrada uma média diária superior a 300 casos suspeitos de doenças causadas pelo mosquito. Prova disso, é a superlotação no Hospital de Base, unidade referência em traumas, urgência e emergência, mas que está diariamente lotado principalmente por pacientes com sintomas de zika, dengue e chikungunya.

Para “desafogar” os atendimentos nos hospitais, a Secretaria de Saúde de Itabuna instalou o “QG de Combate ao Mosquito”, na Avenida do Cinquentenário, nº 1370, que, segundo o secretário de saúde, Paulo Bicalho, a partir da próxima semana estará funcionando e realizando atendimento ambulatorial a pacientes com sintomas destas viroses.

Foto: Fábio Sousa/Verdinho Itabuna

 

SIMPLES E EFICIENTE: DECRETE O FIM DA INFECÇÃO URINÁRIA COM ESTE REMÉDIO DE BICARBONATO DE SÓDIO

bicardonatoAs infecções urinárias são um dos problemas de saúde mais comuns que afetam a população mundial.

E as mulheres são as mais propensas a ter infecções no trato urinário.

Acredita-se que uma em cada duas mulheres desenvolverá esse tipo de infecção em algum momento da vida.

Ou seja, metade delas.

Se você já teve uma infecção urinário, certamente conhece bem o problema.

Ele começa com uma necessidade frequente de ir ao banheiro.

A pior parte é a sensação de queimação terrível que se sente na bexiga ou uretra.

As infecções urinárias são tratadas com antibióticos, às vezes até com uma dosagem muito exagerada.

Mas o fato é que este é um problema muito sério que não pode ser negligenciado.

Vá imediatamente ao médico se suspeitar de que está com uma infecção urinária.

Como reforço do tratamento médico, e se a doença não estiver muito avançada, você pode usar um remédio caseiro supersimples e ao mesmo tempo muito eficiente.

Estamos falando do bicarbonato de sodio.

A ação do bicarbonato é muito efetiva porque o que ele faz é simplesmente alterar o pH da urina e torná-lo menos ácido.

E nesse ambiente menos ácido as bactérias responsáveis pela infecção não conseguem se desenvolver.

Não é incrível?

O bicarbonato contra infecção urinária é um remédio muito antigo, do tempo da vovó mesmo.

Ele não só serve para combater, como age como um forte preventivo.

Essa ação preventiva é muito importante, pois é comum entre as pessoas que tiveram infecção urinária voltar a ter o problema.

Ou seja, se você já teve o problema deve consumir bicarbonato de sódio regularmente, pois isso vai praticamente zerar o risco de ter infecção urinária.

O tratamento é simples:

Em um copo com 200 mL de água, adicione uma colher (chá) de bicarbonato de sódio.

Depois, acrescente umas gotinhas de limão.

Beba imediatamente.

Faça isso em jejum ou com o estômago vazio ao menos duas horas antes de uma refeição.

Consuma este remédio por sete ou mais dias seguidos se for para tratar uma infecção já instalada.

Se for para prevenir, consuma por no máximo 15 dias.

Dê uma pausa de duas semanas e retome por mais duas.

Sabe por que isso?

O consumo excessivo de bicarbonato de sódio pode causar alcalose, que é quando o sangue se torna excessivamente alcalino, o que não é bom.

Por isso é melhor alternar duas semanas sim e duas não.

Se você sofre de gastrite, não deve usar este remédio.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.

ZIKA ULTRAPASSA DENGUE EM ITABUNA. SECRETARIA FARÁ MAPEAMENTO DIÁRIO

tanquesHá algum tempo já se sabe que o Aedes aegypti não é mais o “mosquito da dengue”, mas um infernal e versátil inseto que transmite ao menos três doenças: dengue, chikungunya e zika, sendo que esta é apontada como responsável pelo nascimento de bebês com microcefalia.

Em Itabuna, o mosquito faz vítimas no atacado. De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, o número de notificações relacionadas ao Aedes a cada semana  chega a 500. E a novidade é que a zika não chegou para ser coadjuvante.

Com mais de 2 mil casos registrados, a doença ultrapassou a dengue em Itabuna. A cidade também contabiliza 15 bebês com suspeita de microcefalia, sendo quatro confirmados.

Já a chikungunya tem seis notificações, quatro delas confirmadas.

ESTATÍSTICA – Na tentativa de frear a epidemia, a Secretaria Municipal da Saúde pretende intensificar as ações de controle com base no mapeamento das ocorrências. Um QG na Avenida Cinquentenário, no centro da cidade, vai abrigar técnicos do setor de epidemiologia do órgão, que fará levantamentos e produzirá estatísticas diárias sobre os casos.

Por enquanto, o que se sabe é que o bairro São Caetano lidera com 600 notificações, mas na última semana o Santo Antônio apresentou uma explosão de novos casos, principalmente de zika. O município tem trabalhado com número de ocorrências suspeitas, já que as confirmações são feitas pela Sesab (exceto no caso da dengue).

“Como se trata de uma epidemia, não dá para esperar as confirmações, pois precisamos agir com rapidez”, afirma o secretário Paulo Bicalho.

Fonte: Pimenta

POSSO BEIJAR NO CARNAVAL OU DEVO TER MEDO DA ZIKA?

zika122Com a notícia de que foi identificado o vírus da zika na saliva, fica a pergunta: posso pegar o vírus pelo beijo?

A notícia não parece animadora para este Carnaval, mas esta possibilidade existe, embora ainda precise de confirmação científica, segundo os especialistas consultados pelo UOL.

Encontrar o zika ativo na saliva e na urina, o que foi anunciado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), indica que o vírus está vivo, o que aumenta a chance de ser repassado para outra pessoa.

O problema é que não se sabe ainda se essa transmissão é realmente possível porque teria que medir a carga viral da pessoa infectada, afirma o infectologista Jean Gorinchteyn, do Hospital Emilio Ribas.

É muito precoce colocar que o beijo seria uma forma de transmissão do zika. Teríamos que ver a quantidade de vírus presente nestes líquidos”, afirma.

Para o infectologista Celso Granato, da Universidade Federal de São Paulo, a possibilidade existe pelo fator do zika estar vivo, mas isso não está comprovado na prática. “Estamos no campo das possibilidades”, afirmou.

“A gente detecta o vírus na forma ativa, que quer dizer que ele está vivo na saliva, mas dizer que é pela saliva que causa a transmissão é um passo além”, ressaltou Granato.

No geral, quando estamos infectados com algum vírus, é natural que ele se instale na saliva porque os vírus tendem a se concentrar no sangue e nas secreções corporais (como saliva e esperma) e serem eliminados pela urina, explica Gorinchteyn.

O que difere o potencial de transmissão é a carga viral do doente. Pessoas com sintomas mais fortes tendem a ter uma carga viral maior.

“Pessoas com carga viral alta são as que geralmente apresentam mais sintomas e nessa fase podem apresentar uma concentração do vírus nos fluídos corporais. Mas levando em conta que os sintomas da zika são febre, calafrios, dores pelo corpo e na cabeça, dificilmente essa pessoa iria conseguir pular o Carnaval e sair beijando outras pessoas”, diz o infectologista do Emílio Ribas.

Sexo sem proteção

:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia