banner-130
engen22
mineraz

:: ‘Saúde’

TESTE VERIFICA TEMPO DE PROTEÇÃO DE REPELENTES À VENDA NO MERCADO

Reportagem do “Fantástico” mostra também a maneira ideal de uso do produto

REPELENTE

Exposis é o repelente que promete 10 horas de proteção (Foto: Reprodução) 

Com o grande aumento de casos de microcefalia (bebês que nascem com o crânio menor do que o normal), causado pela contaminação do Zika Virus após a mãe ser infectada durante a gestação ao ser picada pelo mosquito Aedes Aegypti, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendaram o uso repelentes.

Por causa disso, o programa “Fantástico”, da TV Globo, realizou uma reportagem em parceira com a Proteste, organização sem fins lucrativos que defende o consumidor, para ver se o tempo de proteção descrito na embalagem dos repelentes condiz com o que acontece na realidade. Foram cinco marcas escolhidas: Exposis, Super Repelex, Off Family Spray, Moskitoff e Xô Inseto.

O teste foi realizado com quatro pessoas: dois homens e duas mulheres, que colocavam o produto no braço e depois enfiavam o braço em um local cheio de mosquitos Aedes Aegypti não infectados para ver quanto tempo iriam aguentar sem a primeira picada do inseto, o que corresponde a perda da eficácia do produto. Os resultados foram decepcionantes.

VEJA ABAIXO OS PRODUTOS TESTADOS:

REPELENTE1

Super Repelex promete 6 horas de proteção em sua embalagem, mas teste mostra o contrário (Foto: Reprodução)

Exposis: Embalagem diz 10 horas de proteção – Teste da Proteste diz que a proteção é de apenas 2 horas e 45 minutos.

Super Repelex:  Embalagem garante proteção de 6 horas – Teste da Proteste diz que a proteção é de apenas 1 hora e 40 minutos.

Off Family Spray: Embalagem garante 2 horas de proteção – Teste da Proteste diz que a proteção é de apenas 1 hora e meia.

Moskitoff: Embalagem garante 2 horas de proteção – Teste da Proteste diz que a proteção é de apenas 1 hora e meia.

Xô Inseto: Embalagem garante 2 horas de proteção – Teste da Proteste diz que a proteção é de apenas 1 hora e 20 minutos. :: LEIA MAIS »

ELA PERDEU MEDIDAS COM A “DIETA DA BEYONCÉ”: “EM 03 DIAS JÁ SENTI A DIFERENÇA”

Programa criado pelo fisiologista Marco Borges, personal trainer de famosas como Beyoncé, defende 22 dias para mudar os hábitos alimentares e seguir saudável e bonita

Uma das dietas que deu o que falar em 2015 foi a “dieta da Beyoncé”. A cantora atraiu olhares no baile de gala Metropolitan Museum, em Nova York, nos Estados Unidos, em abril, ao exibir as curvas em um vestido transparente. O corpo foi conquistado depois de seguir um programa alimentar vegano e de exercícios prescritos pelo fisiologista do exercício – e seu personal trainer – Marco Borges: a Revolução dos 22 dias.

b
AP

Cantora Beyoncé no baile do MET, em Nova York

O livro que leva o nome da dieta chegou ao Brasil em outubro e já tem adeptos por aqui. “Em três dias já senti a diferença”, afirma Natália Ferreira, engenheira agrônoma, 27 anos, que seguiu os passos descritos no livro. Em 22 dias, ela emagreceu 6 kg e impressiona pela perda de medidas: “Meu quadril reduziu de 104 para 96 cm”.

Como funciona?

Ao longo do livro, o Marco Borges destaca os benefícios de uma dieta vegana à base de frutas, legumes, verduras, grãos e sementes, completamente livre de aditivos químicos e produtos processados. São proibidos quaisquer produtos industrializados ou de origem animal.

O fisiologista do exercício monta um plano alimentar completo, dá receitas e descreve um programa de exercícios para seguir nos 22 dias da dieta. Para ele, esse é o tempo para se livrar de um hábito antigo, como a má alimentação, e mudar a rotina. “Quando eu estudava psicologia, descobri que alguns psicólogos acreditam que levamos 21 dias para criar ou deixar um hábito. O cérebro humano é uma máquina impressionante, que pode se reprogramar com o passar do tempo”, explica.

Ele ainda defende que a alimentação saudável também é uma arma à prevenção do câncer, diminuição dos níveis de colesterol e pressão arterial, redução do risco de doenças cardíacas e tratamento do diabetes.

Vamos testar!

Natália se encantou com a mudança de Beyoncé, que escreve o prefácio do livro de Marco. “Vi uma entrevista da Beyoncé falando sobre a dieta e achei diferente. Uma amiga falou sobre o livro e decidi comprar”, conta.

Ela começou a dieta depois de um alerta do noivo. “Estava com 69,8 kg quando comecei e meu peso ideal é em torno de 64 kg. Não tinha noção ou consciência de como estava, mas já não estava muito feliz com meu corpo. Então meu noivo, que mora fora do Brasil e vem para cá de dois em dois meses, me viu e comentou: ‘Amor, você precisa dar uma corridinha’. Ele foi todo carinhoso ao falar isso, mas eu entendi a dica”.

Resultados da dieta

“Em 22 dias, perdi 6 quilos. Quando fazia apenas academia e uma alimentação comum, não senti tanta mudança como agora. Não percebia o músculo desenvolver tão rápido e nem a perda de gordura”, afirma Natália. Além da alimentação vegana, o programa prevê exercícios aeróbicos, como corrida ou bicicleta, nos dias ímpares e exercícios de resistência nos dias pares. B2
Arquivo pessoal

Natália antes da dieta e com a mesma roupa depois dos 22 dias. Shorts já estava bem mais largo

Ela também comemora a redução de medidas no quadril. “Meu corpo é fino em cima e maior embaixo e isso sempre me incomodou. Agora minhas calças estão mais largas e passei do 42 para o manequim 40, sem strech”.

Outro benefício foi o fim do inchaço, segundo a engenheira agrônoma. “Mesmo comendo pouco sal, por exemplo, sempre tive problema com inchaço e retenção de líquido. Não senti nada de inchaço nesses 22 dias. E percebi que estava eliminando os líquidos”.

Nada de carne, queijos, bebidas… 

A “Revolução dos 22 dias” não inclui nenhum tipo de carne, nem peixe, e exige disciplina. “Nunca tinha deixado de comer carne. Sou mineira e sempre que ia para minha casa, tinha uma leitoa assando”, conta Natália, que atualmente mora em Bauru e cursa pós-graduação. “Divido casa e as outras meninas não estavam na dieta. Elas comiam carne, batata frita, mas eu me segurei. Não foi fácil, mas eu coloquei na cabeça que faria. Era uma meta”, comenta.

“Agora minhas calças estão mais largas e passei do 42 para o manequim 40, sem strech”

Ela dá uma dica: abuse das fotos. Segundo a agrônoma, ter se fotografado antes e durante a dieta foi um estímulo a mais para não desistir.

Entretanto, nos 22 dias é melhor ficar em casa. Segundo Natália, pelas restrições, fica complicado sair com amigos ou ir a festas e conseguir se adequar ao cardápio. “Mas passa rápido e vale a pena”, garante.

“O que mais senti falta nesse tempo foi daquele queijo puxando. Também teve o doce, principalmente na TPM, mas comia uma tâmara e isso ajudava”, explica. “É importante seguir o que está no livro e ler todos os dias porque isso também incentiva a continuar”, completa.

E depois dos 22 dias?

Passado o tempo da dieta, os hábitos realmente mudaram? “Fui a casa de uma amiga em um final de semana e não consegui comer muito. Gosto de carne, de queijo e não consegue esquecer tudo isso de uma vez. Mas não estou sentindo vontade de comer. E quando comi carne, logo inchei de novo. Para eu viver melhor, tenho que continuar com os novos hábitos e a dieta”, fala Natália. Ainda assim, sem se isolar: “Posso sair e pedir uma porção mais ligth ou dosar na cerveja. Vou tentar conciliar”.

:: LEIA MAIS »

Ana Maria Braga revela tratamento contra câncer: “Fumei durante muitos anos

Ana“Fiz uma tomografia e quando eu saí disseram que acharam uma coisa pequena, um início de um tumor cancerígeno”, desabafa apresentadora

A apresentadora Ana Maria Braga revelou, na manhã desta segunda-feira (14), que passou por um tratamento contra o câncer no mês de setembro. A loira decidiu desabafar ao vivo durante o programa “Mais Você”.

“Este ano tem acontecido algumas coisas na minha vida e uma delas eu gostaria de dividir com vocês. Em setembro, fiquei na dúvida se falava, porque estava muito debilitada. Preferi estar mais forte, estar bem para falar como um alerta para todo mundo que quer viver mais e com mais saúde”, disse a apresentadora, que começou a falar sobre o vício do cigarro.

“Além de ser uma droga poderosa, pode matar pessoas. E parar é muito mais difícil, porque as pessoas são dependentes. Fumei durante muitos anos e parei esse ano e em uma circunstância terrível”, ressaltou Ana Maria, que revelou que descobriu um câncer no pulmão em estágio inicial.

“Tive um anjo na minha vida. Eu poderia estar até hoje sem saber que estava com um problema no pulmão. Bill, meu companheiro hoje, me cobra muito e comecei a fazer ginástica. Ele dizia para eu parar de fumar e que eu precisava fazer alguns exames. Ele tanto insistiu que marquei uma consulta. Fiz uma tomografia e quando eu saí disseram que acharam uma coisa pequena, um início de um tumor cancerígeno. Vocês acompanharam a minha luta e eu sei o que se passa quando se faz uma radioterapia, quimioterapia. Fique estatizada. É um risco que toda pessoa que fuma tem. Fui para a internação e me operei em uma manhã de sexta-feira”, contou Ana Maria.

Brasil testará remédio para prevenir HIV entre os jovens

É a primeira vez que o país terá como estratégia de saúde pública uma pesquisa que fala sobre o uso de um medicamento preventivo em jovens

O Brasil vai investir na chamada profilaxia pré-exposição para prevenir o HIV. De acordo com a Folha de S. Paulo, a ingestão de um comprimido por dia será recomendada para pessoas com maior risco de contrair o vírus.

É a primeira vez que o país terá como estratégia de saúde pública uma pesquisa que fala sobre o uso de um medicamento preventivo, que seja usado por adolescentes de 16 a 19 anos. Antes, os estudos eram conduzidos apenas em adultos.

A Prep, sigla usada para a profilaxia, é feita através da combinação, em um único comprimido, de dois antirretrovirais: tenofovir e emtricitabina. O usuário ingere a pílula para se prevenir, antes da relação sexual.

CONFIRA OS CINCO FORTÕES COM OS MÚSCULOS MAIS BIZARROS DO MUNDO

musculosNem sempre as figuras com os músculos mais bizarros estão numa competição de fisiculturismo ou nos filmes de super-heróis. Alguns fortões capricham além da conta no “recheio” dos braços, seja de maneira natural, ou nem tanto, e provocam espanto por onde passam.musculos1

Confira cinco exemplos anônimos dessa gigantesca explosão corporal:

musculos2

 

musculos3

INJEÇÃO COM O PRÓPRIO SANGUE PODE SER A CURA DA CALVÍCIE MASCULINA

CALVAplicação de gel rico em plaquetas promete conter a queda de cabelos e estimular o crescimento

Queda de cabelo é um dos principais terrores dos homens, mas o problema da calvície está com os dias contados. Pelo menos é o que garante um grupo de cientistas da Universidade de Nova York, que está testando uma substância em gel produzida a partir do sangue do próprio paciente e injetada na região afetada do couro cabeludo.

De acordo com o Daily Mail, o gel contém plasma rico em plaquetas – pequenas partículas de glóbulos produzidos pela medula óssea – que ajuda no crescimento e restauração das células. O plasma é feito através de uma pequena quantidade de sangue retirada das veias do braço e que depois é processada em uma centrífuga que bombeia o sangue em alta velocidade, separando-o em seus diversos componentes.

Esse tipo de procedimento já é utilizado para tratar lesões nos tendões e queimaduras, pois libera várias proteínas diferentes, hormônios e citocinas que estimulam a cicratização de ossos e tecidos moles. Por isso existe a chance de se aplicar no couro cabeludo para conter a queda e estimular o crescimento.CALV1

Spencer Stevenson, especialista no assunto e fundador da Spexhair, disse que a utilização do gel tem sido usada em alguns casos, mas ele continua cauteloso. “Ainda não está comprovada sua eficácia total. Falei com inúmeros pacientes que tentaram sem sucesso. Alguns médicos até relatam melhora significativa em outros casos, mas uma parte acredita que isso não oferece nenhum benefício”, comentou.

NUTRICIONISTA SARADA CHAMA ATENÇÃO NAS REDES SOCIAIS

icionistaFoto do bumbum gerou vários comentários e mais de mil curtidas

A nutricionista Gabriela Zugliani, 31 anos, voltou a chamar atenção nas redes sociais por conta do seu corpão. Depois de virar sucesso na web por conta da barriga tanquinho, mesmo na gravidez, Zugliani impressionou com uma foto que mostra o bumbum.

Foram mais de mil curtidas, além de inúmeros comentários sobre a boa forma de Zugliani, que teve sua terceira filha há apenas dois meses. “Que bunda é essaaaaa? Jesus, dando um banho em todas as mulheres! 3 filhos e um deles com apenas 2 meses. Na moral, você é a melhor”, comentou uma internauta.

Zugliani costuma compartilhar sua rotina de exercícios nas redes sociais – são quase 80 mil fãs no Facebook e 225 mil no Instagram.

nutricionista

Corpão de nutricionista chamou atenção

Microcefalia: 150 casos são registrados na Bahia, 86 casos são confirmados

microcefaliaDe janeiro até a última quinta-feira (3), a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) registrou 150 suspeitas de casos de microcefalia. De acordo com a Sesab, em 86 casos foi constatado que o bebê possui crânio menor a 32 centímetros. Em 64 notificações, ainda não há informações sobre o perímetro encefálico.

O primeiro boletim da Sesab sobre microcefalia, divulgado em novembro, apontava 13 casos em toda a Bahia. Na sexta-feira (4), foi emitido o segundo boletim, informando 112 casos suspeitos e 26 confirmações. O estado também registra seis óbitos por microcefalia nos municípios de Salvador, Itapetinga, Olindina, Tanhaçu, Camaçari e Itabuna.

As cidades com maior número de casos confirmados são Salvador (53), Lauro de Freitas (4) e Camaçari (3). A microcefalia provoca sequelas neurológicas e motoras nas crianças que nascem com má-formação do crânio.

Nesta terça-feira (8), o governador Rui Costa se reunirá com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, para discutir os problemas causados pela Zika vírus. A doença está relacionada com o aumento nos casos de microcefalia no país.

Vacina contra dengue no Brasil espera aprovação da Anvisa

mosquito dengueEm outubro deste ano, a vacina contra dengue da Sanofi Pasteur recebeu parecer favorável e positivo da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). O processo de aprovação  é padrão e faz parte da regulamentação para vacinas recombinantes para humanos, ocorrendo paralelamente ao de licenciamento na Anvisa.

Em março deste ano, a Sanofi Pasteur submeteu o dossiê regulatório da sua vacina contra dengue à Anvisa para obtenção do seu registro. Para a Agência Nacional, o tema dengue é prioridade. A chegada da vacina contra dengue no país está prevista para 2016. Em pessoas com mais de 9 anos, a vacina é proteção nas hospitalizações e nas formas graves da doença,como a dengue  hemorrágica.

Cuidados, vacinas e pré-natal bem feito para minimizar riscos

Segundo a neuropediatra Margarida de Pontes, do Hapvida, a microcefalia pode ser genética, encontrada em algumas síndromes, ou secundárias, provocadas por causas infecciosas durante o período de gestação, a exemplo da rubéola, citomegalovírus e toxoplasmose.

Por isso, deve-se tomar muito cuidado, principalmente com as gestantes. “Uma vez que existe surto dessas doenças, todas as gestantes têm que estar em alerta. É importante que se faça um pré-natal e uma programação de vacinas corretamente. Caso a paciente já esteja grávida, as mesmas devem evitar, ao máximo, o contato com mosquito transmissor da zika, usando roupas compridas, telas e repelentes naturais”, orienta a especialista.

Jovem bêbado espanca médico idoso após ouvir que teria que esperar atendimento

Médico

Um homem visivelmente embriagado, de porte físico atlético, entrou em uma unidade de saúde, de um município do interior da Bahia, cobrando urgência para uma sutura que tinha na cabeça e provocou uma cena de terror.

De acordo com testemunhas, ao ser avisado que teria que aguardar para ser atendido porque tinham outros pacientes em uma situação mais grave, o jovem se descontrolou, partiu para cima do médico, idoso, com socos e pontapés.

Mesmo com o médico no chão, o jovem continou a bater e só foi parado após ser contidos por funcionários da unidade de saúde.

O médico saiu com um corte na cabeça, acima do olho, e  também precisou fazer uma sutura. Veja o vídeo. As cenas são fortes.

“Meu filho não é uma laranja podre”, diz mãe de bebê com microcefalia

Mães compartilham experiências em depoimentos para o CORREIO; leia trajetórias

A baiana Suzana Bertolucci, 33 anos, teria muito pouco em comum com a paulista Pamela da Silva Pavanelli, 23. Uma é comerciante, a outra, dona de casa. Enquanto Suzana não desejava ter filhos, Pamela sempre sonhou com a maternidade. Caminhos diferentes que nunca seriam cruzados senão por uma coincidência: ambas são mães de crianças com microcefalia. Enquanto Suzana engravidou por acidente da pequena Ana Laura e aprendeu a curtir a ideia de ser mãe na gestação, a gravidez de Davi foi desejada antes mesmo do seu início por Pamela.

Suzana, a baiana de Paulo Afonso, contraiu aos três meses de gravidez o vírus da zika que afetou o desenvolvimento de Ana Laura, nascida há dois meses. Já Pamela, moradora de Itapecerica da Serra, na Região Metropolitana de São Paulo, teve um quadro de toxoplasmose não diagnosticado durante a gestação.

Hoje, as vidas delas são unidas pelo amor e luta pelos seus filhos. Estas são as suas histórias:

***

Suzana Bertolucci, 33 anos, natural de Paulo Afonso (BA)

mICROCEFALIA2

Suzana com o marido, Luciano, e a filha Ana Laura

***
“Sou completamente apaixonada pela minha filha. Sempre tive medo da responsabilidade de ter um filho, e sempre tive medo de hospital. Por isso, fui prolongando a decisão de ser mãe. Primeiro dizia que ia ter aos 31 anos, depois adiei. Tudo por medo.

Tanto o medo do parto quando o da responsabilidade, porque eu sei que uma criança muda a vida dos pais. E Ana Laura mudou a minha vida totalmente. Só que para melhor.

Descobri que estava grávida no final do janeiro, e não foi algo planejado. Se eu planejasse, era capaz de não ter tido filhos nunca. Mas eu vou te dizer – se eu soubesse que era assim, eu tinha tido antes. É uma sensação tão boa, olhar aquele rostinho brincando, sorrindo, com as perninhas balançando. É maravilhoso.

Com três meses de gestação, tive a Zika, eu e o meu irmão. Estava com manchas no corpo e muita coceira. Mas a gente achou que provavelmente era uma infecção alimentar, porque ainda não tinha muitas informações sobre a zika.

O diagnóstico da Ana Laura só chegou no fim da gestação, no final de agosto. Eu comecei a ter um pouquinho de pressão alta, e a médica solicitou a ultrassom. Lá, descobrimos que a minha neném tinha microcefalia, mas ela não me explicou direito o que era e pediu para que eu procurasse um especialista na capital – em Salvador ou Recife.

Fomos direto no Google e tomamos aquele susto. Receber aquela notícia foi desesperador, ainda mais sem ter muita informação. Na hora, eu me segurei, saí da sala da médica tranquila, mas quando eu entrei no carro não deu pra segurar e desabei.

A gente [Suzana e o marido, Luciano Bertolucci] chorou bastante. Fomos direto para casa e não fomos mais trabalhar, eu não queria ver mais ninguém. E não tivemos muito tempo para nos abalar, porque Laurinha já estava perto de nascer e tínhamos de ver tudo antes.

Acabamos voltando para Salvador, de onde tínhamos saído há um ano para ficar mais perto da minha família em Paulo Afonso. Largamos tudo – emprego, casa, nossa loja de sapatos. Nem pra me despedir de casa ou dos parentes eu voltei até agora.

A Ana Laura nasceu no dia 30 de setembro no Hospital Geral Roberto Santos, onde fui literalmente pedir socorro na emergência da unidade após descobrir o diagnóstico dela, porque não tinha recebido até então nenhuma informação sobre quem podia procurar.

Ela foi uma das primeiras a nascer lá com microcefalia. A situação está grave. Uma enfermeira amiga nossa disse que dos 21 leitos do hospital, sete estão ocupados com crianças com microcefalia.

Os médicos não tinham nos dado muita esperança sobre a sobrevivência da Laurinha, e minha filha ficou um mês internada na semi-intensiva. Eu brinco com Luciano que é como se a gente não tivesse vivendo de verdade enquanto ela estava no hospital.

A gente não via jornal, a gente não via televisão, só acordava, tomava café e saía para ficar com ela. E depois só voltava para dormir. Era muito desgastante. Como deixamos tudo em Paulo Afonso, estamos morando na casa de amigos aqui em Salvador. Uma hora na casa de um, outra hora na casa de outro. Mas eu penso que tem tanta gente pior que a gente, passando por dificuldades piores, então isso nunca nos desanimou muito não.

O que a gente pediu muito a Deus foi para conseguir trazer ela do hospital bem. E conseguimos isso, até antes do prazo, um dia após a Ana Laura completar um mês de nascida.

Quando os médicos falam o que é microcefalia, a gente fica pensando que o bebê vai ser uma criança diferente, paradinha. Mas isso não é Laurinha. Ela é muito ativa, cheia de personalidade e manhas, tem muita energia e muita força. Eu não vejo diferença dela para outra criança. Ela é bem espertinha. Com 15 dias de nascida, ela já levantava o tronco todo.

Meu marido está encantado com ela. O cuidado dela é dividido inteiramente entre nós. Ele é um pai especial, um paizão. Acorda de madrugada para dar a comida dela, tudo. No hospital ela ficou um mês internada, e nós dois ficamos ao lado dela o tempo todo.

Hoje, temos acompanhamento com neuropediatra, e com o pediatra normal. Vamos ter uma consulta com o neurocirurgião, e estamos tentando marcar uma consulta com o fisioterapeuta. Também tentamos vaga para ela no Hospital Sarah, mas não conseguimos.

Eles [os médicos] dizem para a gente que não teve como saber como vai ser o futuro, porque isso afetou o sistema nervoso e neurológico dela. Com estímulos, só Deus saberá dizer o que ela pode fazer. Eu tenho certeza que o nosso amor e a nossa dedicação também ajudam ela, e muito.

:: LEIA MAIS »

Confirmado mortes por microcefalia em Itapetinga e Tanhaçú; são seis casos na Bahia

Microcefalia-35Seis mortes de bebês com perímetro encefálico igual ou inferior a 33 centímetros foram divulgadas por meio de nota pelo Governo da Bahia, na manhã desta sexta-feira (4). Os dados são referentes até o dia 1º de dezembro de 2015. Os municípios onde as mortes foram registradas são: Salvador (1), Itapetinga (1), Olindina (1), Tanhaçú (1), Camaçari (1) e Itabuna (1). Ainda de acordo com o governo, foram notificados 112 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 34 municípios, dos quais 26 foram confirmados. Este número seguia o padrão estabelecido pelo Ministério da Saúde, no qual considerava microcéfalos os bebês que tenham perímetro encefálico igual ou inferior a 33 centímetros. Porém, na quinta-feira (3), o Ministério da Saúde, em consonância com a Organização Mundial de Saúde (OMS), passou a considerar o perímetro encefálico igual ou menor que 32 centímetros.MICROCEFALIA

Desse modo, a Bahia passa a ter 87 casos suspeitos de microcefalia. Em contato com o G1 na manhã desta sexta-feira, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) informou que, apesar da mudança no critério adotado pelo Ministério da Saúde, o número de óbitos continua o mesmo (seis) e apenas a investigação dos próximos casos serão modificadas. *Com informações do G1.

GOVERNO MUDA CRITÉRIO DE MICROCEFALIA PARA CRÂNIOS MENOR QUE 32 CM

MICROCEFALIAO governo federal vai mudar os critérios para a definição de casos de microcefalia. A decisão, que começou a valer nessa quinta, 3, em Pernambuco e nos próximos dias deverá ser estendida para todo o território nacional, reduz de 33 para 32 centímetros o perímetro cefálico do bebê considerado portador da má-formação. Na prática, menos pacientes serão considerados como casos “suspeitos”.

“Estávamos até agora pecando pelo excesso. Adotávamos uma marca mais rígida do que a Organização Mundial da Saúde (OMS), que há anos considera microcefalia apenas bebês com perímetro cefálico igual ou inferior a 32 centímetros”, afirmou a secretária executiva de Vigilância em Saúde de Pernambuco, Luciana Albuquerque.

O Estado lidera as estatísticas de notificação de casos da microcefalia, cuja relação com o zika vírus já foi confirmada. Até a semana passada, eram 646 casos e 1.248 no país.

“Verificamos que somente uma pequena parte dos pacientes que estão entre 32 e 33 centímetros apresentava calcificações, uma espécie de cicatriz que se forma no cérebro depois dos processos infecciosos”, disse Angela Rocha, professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). “Não estamos relaxando os critérios. Agora, poderemos saber melhor o perfil dos bebês que de fato têm a má-formação relacionada com o zika”, afirmou.

A mudança dos parâmetros começou a ser discutida há uma semana, em uma reunião de especialistas organizada pelo Ministério da Saúde, em Brasília.

Acompanhamento

:: LEIA MAIS »

NOVA CAMISINHA REVOLUCIONÁRIA DE HIDROGEL PROMETE MATAR O VÍRUS HIV

camisinha“Temos o objetivo de erradicar esta infecção o mais rápido possível”, disse professora que liderou estudo do preservativo

Um novo preservativo produzido com hidrogel (material usado em lentes de contato) pode ajudar na luta contra o temido vírus HIV, o mesmo causador da Aids. Segundo informações do diário britânico Daily Mail, um grupo de cientistas do Texas, estado norte-americano, desenvolveu a revolucionária camisinha que promete ajudar na prevenção.

Mas como assim? Funciona da seguinte maneira: caso o preservativo estoure, o que pode acontecer, ele libertará um antioxidante especial à base de plantas que demonstrou ter propriedades anti-HIV, atacando o vírus de forma letal, como relatou Mahua Choudhury, professora que liderou o estudo publicado no Texas A&M Health Science Center Irma Lerma Rangel College of Pharmacy.CSAL

“Se formos bem sucedidos, o preservativo vai revolucionar a iniciativa de prevenção do HIV. Não estamos apenas fazendo um novo material de preservativos para prevenir a infecção pelo HIV, mas também temos o objetivo de erradicar esta infecção o mais rápido possível”, comentou.

Mahua Choudhury alertou também que as camisinhas em geral são uma forma essencial para prevenção da Aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis, mas não são a solução perfeita. Por isso, todo cuidado é pouco.

:: LEIA MAIS »

Número de casos de Guillain-Barré dobra em 5 meses na Bahia

guillianOs casos da Síndrome de Guillain-Barré na Bahia mais que dobraram nos últimos cinco meses, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (2) pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). Do dia 7 de julho, quando foi divulgado o primeiro boletim com dados sobre a doença pelo governo, até 19 de novembro, data da divulgação do último balanço, o número de casos confirmados saltou de 29 para 64. Uma mulher de 26 anos já morreu vítima da doença na Bahia.

Os dois primeiros casos foram anunciados em junho. A Síndrome Guillain-Barré é uma doença neurológica rara que, segundo especialistas tem relação com doenças virais, como o Zika Vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, mesmo transmissor da dengue. “Esse problema está relacionado ao Zika Vírus. Quanto a isso, não temos nenhuma dúvida.

A gente tinha levantado essa suspeita pela relação temporal das duas doenças, mas isso já foi confirmado com pesquisas recentes feitas pela Fiocruz [Fundação Oswaldo Cruz]. A gente, no entanto, não sabe ainda como isso ocorre. Ou seja, não tem como saber se uma pessoa que teve Zika terá a Guillain-Barré”, disse ao G1 a infectologista Ceuci Nunes.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia