carro_1

Um taxista aposentado de 72 anos foi preso suspeito de matar uma travesti, de 23, atropelada, na Rua Aquidelbrando, no Bairro São Francisco, em Goiânia. O crime ocorreu em junho do ano passado.

Segundo a Polícia Civil, o idoso procurou a vítima para fazer um programa, mas acabou desistindo e teve uma corrente de ouro roubada. Câmeras de segurança flagraram a discussão entre os dois, minutos antes do atropelamento (veja no vídeo acima).

Segundo a polícia, o idoso chegou em seu veículo particular – um VW Polo prata – e abordou a vítima. Após uma conversa rápida, ela entra no carro, mas as imagens mostram a travesti saindo do veículo logo em seguida.

“Ele [suspeito] disse em depoimento que desistiu do programa quando descobriu que não se tratava de uma mulher”, revela o delegado Matheus Melo, adjunto da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) e responsável pelo caso.

Antes de sair do veículo, a travesti arrancou a joia que o taxista usava. Já do lado de fora, ela também jogou algumas pedras no automóvel.

A gravação termina quando a travesti anda pela calçada e é perseguida pelo veículo. De acordo com a polícia, logo em seguida, ocorre o atropelamento.

O delegado afirmou que, após o crime, o idoso desceu do veículo, pegou o cordão e foi embora. A vítima chegou a ser socorrida, mas morreu no hospital.

Demora
O taxista foi detido na sexta-feira (24), na casa onde mora, no Setor Vila Regina, em Goiânia. No local, a polícia também apreendeu uma arma sem registro, além do veículo usado no crime.

“A gente demorou um pouco a efetuar a prisão porque no dia do crime as imagens não captaram a placa do carro, e as testemunhas não conseguiram identificar o autor. Depois, tivemos uma denúncia anônima de que ele seria o autor do crime e começamos a apurar”, disse o delegado.

Na delegacia, o homem alegou que a vítima se atirou na frente do carro. Casado e pai de dois filhos, ele está detido em uma cela da DIH à disposição da Justiça.

O suspeito já respondeu a um processo por homicídio, mas foi inocentado. Em maio de 2012, na mesma rua onde ocorreu o homicídio, ele foi assaltado por outra travesti. Na ocasião, quando estava no mesmo carro, ele teve um óculos e outro cordão de ouro roubados.

O homem deve ser indiciado por homicídio doloso e por posse ilegal de armas. Se condenado, pode pegar de 7 a 19 anos de prisão.